Bolsonaro desmente informação sobre congelamento para aposentadorias e cortes de auxílio para idosos e deficientes

O presidente afirmou que foi "surpreendido com manchetes" em jornais sobre supostos estudos do governo para os cortes e congelamentos e disse que "jamais" irá retirar dinheiro dos pobres para "dar para os paupérrimos"
  • Por Redação
  • 15 set, 2020

Na manhã desta terça-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro descartou completamente a possibilidade de congelamento para aposentadorias e cortes de auxílio para idosos e deficientes, como medida para criação do Renda Brasil. 

Bolsonaro afirmou que foi "supreendido com manchetes" em jornais sobre supostos estudos do governo para os cortes e congelamentos e disse que "jamais" irá retirar dinheiro dos pobres para "dar para os paupérrimos". 

"Congelar aposentadorias, cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência ... Um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade", escreveu o presidente em publicação nas redes sociais. "Como já disse, jamais tiraria dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos."

O presidente deixou claro que tal ideia não partiu dele e, caso alguém do governo proponha tal medida a ele, receberá um "cartão vermelho". 

O chefe do Executivo também anunciou que até 2022 está descartada a criação do Renda Brasil e que continuará com o Bolsa Família. 

"Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final", afirmou.