Importante virologista chinesa afirma que a China criou e lançou 'intencionalmente' a COVID-19 no mundo

'Eu trabalhei no laboratório de referência da OMS, que é o melhor laboratório de coronavírus do mundo', afirmou a doutora Li-Meng Yan
  • Por Redação
  • 16 set, 2020

Em entrevista à Fox News nessa terça-feira (15), uma importante virologista chinesa, doutora Li-Meng Yan, afirmou que o governo chinês intencionalmente fabricou e lançou o vírus COVID-19 que levou a paralisações econômicas e mortes em todo o mundo. 

 O apresentador Tucker Carlson perguntou diretamente a especialista se ela acreditava que o Partido Comunista Chinês liberou o vírus "de propósito".  "Sim, claro, é intencionalmente", respondeu Li-Meng Yan. 

Yan também disse que mais evidências seriam divulgadas e destacou sua própria posição de alto escalão em um laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde como uma razão para confiar em sua alegação. 

Eu trabalhei no laboratório de referência da OMS, que é o maior laboratório de coronavírus do mundo, na Universidade de Hong Kong. E o que acontece é que me aprofundo nessa investigação em segredo desde o início deste surto. Eu tive minha inteligência porque também tenho minha própria rede de unidades na China, envolvida [no] hospital ... também trabalho com o maior coronavírus virologista do mundo ", disse ela. "Então, junto com a minha experiência, posso dizer a vocês, isso é criado no laboratório ... e também, é espalhado para o mundo para fazer tantos danos".

Em resposta à Fox News, seu ex-empregador, a Universidade de Hong Kong, criticou seu relato. Em um comunicado para a imprensa, observou "que o conteúdo da referida notícia não está de acordo com os fatos-chave como os entendemos."

"Especificamente, a Dra. Yan nunca conduziu nenhuma pesquisa sobre a transmissão entre humanos do novo coronavírus na [Universidade de Hong Kong] durante dezembro de 2019 e janeiro de 2020, sua afirmação central da referida entrevista."

 Yan, que afirmou ser uma das primeiras cientistas do mundo a estudar o novo coronavírus, fugiu da China e atualmente teme retaliação.  Ela foi supostamente solicitada por seu supervisor no laboratório de referência da Universidade / OMS, Dr. Leo Poon, em 2019, para examinar um grupo estranho de casos semelhantes à SARS saindo da China continental no final de dezembro de 2019, diz a matéria da TV americana.