Deputadas feministas querem excluir defesa da vida da Estratégia de Desenvolvimento do governo Bolsonaro

O projeto foi apresentado pela líder do PSOL, deputada socialista Sâmia Bomfim e outras oito deputadas da bancada feminina na Câmara
  • Por Redação
  • 10 nov, 2020

Nove deputadas federais da bancada feminista da Câmara dos deputados querem excluir da Estratégia Federal de Desenvolvimento para o Brasil no período de 2020 a 2031 a promoção do "direito à vida, desde a concepção até a morte natural, observando os direitos do nascituro,  por meio de políticas de paternidade responsável, planejamento familiar e atenção às gestante”, que foi desenvolvida pelo governo Bolsonaro. 

Para as deputadas, incluindo a líder do PSOL e alto intitulada socialista, Sâmia Bomfim, o item que elas buscam excluir representaria uma tentativa “arbitrária e fraudulenta do Presidente Bolsonaro de impor mediante decreto formulação que confronta o ordenamento jurídico brasileiro”.

Segundo elas, um dos itens sobre o direito à vida promove “esvaziamento de políticas públicas pró igualdade de gênero” e “intimidação de mulheres e meninas que precisem recorrer aos serviços de abortamento legal”. 

As parlamentares que assinam o Projeto de Decreto Legislativo 472/20 são: Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Talíria Petrone (PSOL-RJ), Erika Kokay (PT-DF), Lídice da Mata (PSB-BA), Alice Portugal (PCdoB-BA), Tereza Nelma (PSDB-AL), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Natália Bonavides (PT-RN) e Áurea Carolina (PSOL-MG).