MPF denuncia Ana Paula Valadão por 'discurso de ódio' após expor crenças religiosas sobra a prática homossexual

A cantora e pastora foi denunciada por ter compartilhado sua visão bíblica sobre a prática homossexual em um congresso cristão em 2016
  • Por Redação
  • 03 mai, 2021

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação contra a pastora evangélica e cantora gospel Ana Paula Valadão após declarações de natureza religiosa que foram consideradas “homofóbicas”. 

O MPF pede uma indenização por danos morais coletivos por "discurso de ódio” contra os  homossexuais e pessoas com “HIV".

As falas da líder cristã aconteceram no congresso cristão “Na Terra Como no Céu”, transmitido na internet ainda em 2016: 

Isso não é normal. Deus criou o homem e a mulher. E é assim que nós cremos. Qualquer outra opção sexual é uma escolha do livre arbítrio do ser humano. E qualquer escolha leva a consequências”, afirmou Ana Paula. 

A Bíblia chama qualquer escolha contrária ao que Deus determinou como ideal, como Ele nos criou para ser, de pecado. E o pecado tem uma consequência, que é a morte. Inclusive, tudo o que é distorcido traz consequência naturalmente”, continuou a cantora. 

Nem é Deus trazendo uma praga ou um juízo não. Taí a Aids para mostrar que a união sexual entre dois homens causa uma enfermidade que leva à morte, contamina as mulheres. Enfim, não é ideal de Deus. Sabe qual é o sexo seguro, que não transmite doença nenhuma? O sexo seguro se chama aliança do casamento”. 

A ação pede que Ana Paula Valadão pague R$ 200 mil e a emissora que transmitiu o evento efetue o pagamento de R$ 2 milhões, além de "arcar com os custos econômicos da produção e divulgação de contranarrativas ao discurso do ódio praticado, em vídeo e sítio eletrônico, com a efetiva participação de entidades representativas de pessoas LGBTQIA+ bem como de pessoas que convivem com o HIV".