STF forma maioria e mantém Weintraub em inquérito das fake news

O ministro da Educação se tornou desafeto dos ministros do STF após divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril
  • Por Redação
  • 16 jun, 2020

Na noite dessa segunda-feira (15), o Supremo Tribunal Federal formou maioria e rejeitou pedido de habeas corpus que pretendia retirar o ministro da Educação, Abraham Weintraub, do inquérito que apura supostas fake news. O habeas corpus, ajuizado pelo ministro da Justiça André Mendonça, pede a exclusão dos investigados e considera o inquérito ilegal.

No Plenário virtual, seis dos 11 ministros votaram pela manutenção do ministro da Educação no processo que muitos consideram ilegal e inconstitucional. Acompanhando o voto do relator, ministro Edson Fachin: Cármen Lúcia, Celso de Mello, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Rosa Weber.

Weintraub tornou-se um "inimigo" do STF depois que foi divulgado o vídeo da famosa reunião ministerial do dia 22 de abril, que seria a última cartada do ex-ministro Sergio Moro no inquérito que apura se houve tentativa de interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. No vídeo, o ministro da Educação falou duramente contra o “cancro de corrupção em Brasília” e a convivência de alguns com “privilégios”. Então Weintraub disse: "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF".