Lava Jato investiga 4 milhões em propina a Vital do Rêgo para blindar a empreiteira OAS em CPMI

O valores teriam sido repassados pelo diretor da empresa, Léo Pinheiro, na época em que Vitalzinho exerceu a presidência da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Petrobras, instaurada no Congresso Nacional em 2014
  • Por Redação
  • 25 ago, 2020

Em nova fase da operação Lava Jato, deflagrada nesta terça-feira (25), agentes investigam o pagamento de R$ 4 milhões em propina ao ex-senador e atual ministro do TCUVital do Rêgo.

São cumpridos 15 mandados de busca e apreensão na capital do país e no estado da Paraíba.

Segundo a investigação, Vital recebeu R$ 3 milhões do empreiteiro Léo Pinheiro, presidente da OAS, para blindar a empresa na CPMI da Petrobras, em 2014, presidida pelo então senador do MDB.

De acordo com o Ministério Público Federal, “as provas colhidas ao longo da investigação mostram que o pagamento da mencionada quantia pela OAS foi feito por meio de, pelo menos, dois modos diferentes: a celebração de contratos fictícios pela OAS com a empresa Câmara e Vasconcelos para viabilizar a entrega de R$ 2 milhões em espécie em benefício de Vital do Rêgo; e a celebração de contrato superfaturado pela empreiteira com a Construtora Planície para o repasse de R$ 1 milhão ao ex-Senador.

Já o outro R$ 1 milhão teria sido repassado pela empreiteria ao Diretório Nacional do partido (MDB) para financiamento da campanha de Vital do Rêgo.